SDCC15 | Star Wars: The Force Awakens

sw header

Tirem os vossos lightsabers das gavetas! Metam a Marcha Imperial a tocar! Porque these ARE the droids you are looking for!

A rainha das conventions chegou numa quinta-feira a San Diego, California, prolongou-se pelo fim-de-semana adentro e terminou no domingo. Nós, bem, nós ficámos em casa, do outro lado do oceano, a apanhar as novidades por um ecrã de portátil. Não se compara à verdadeira excitação de estar no centro do acontecimento durante estes quatro dias, mas foi o que se arranjou e não foi por isso que as emoções ficaram menos contidas. Muito pelo contrário, aliás.

DC e Marvel, sem dúvida alguma, têm uma fanbase enorme capaz de encher uma Comic Con com maior das facilidades. Contudo, nem Superman a medir músculos com Batman teve a força de Star Wars (get it?).

Gerações atrás de gerações esperaram à porta do Hall H e conseguiram entrar no panel do mais recente episódio passado numa galáxia muito, muito distante. Chris Hardwick agarrou o leme de moderador e, depois de mostrar que estava a vibrar com tudo o que estava a acontecer juntamente com os fãs, chamou Kathleen Kennedy, presidente da Lucasfilm, J.J. Abrams e Lawrence Kasdan ao palco. Algo que tornou este panel em algo bastante especial foi o modo como conseguiram a evolução do entusiasmo dos fãs ao trazerem os convidados aos poucos, em vez de todos ao mesmo tempo. Deste modo, tornaram o ambiente da sala cada vez mais electrificado de exaltação com o que estava a acontecer no momento e o que poderia acontecer depois.

Nesta primeira parte do panel os três génios por detrás das câmaras referiram o quão dependente dos fãs Star Wars continua a ser. Desde o seu início em ’76, quando passou pela Comic Con, até aos dias de hoje é a euforia dos fãs que têm seguido esta saga que torna tudo possível, uma vez que é algo passado aos filhos e netos, tornando-se assim num legado seguido por milhões. Tendo isto em conta, também Abrams cresceu com estes filmes o que torna o seu papel de realizador mais difícil de separar do seu olhar de fã, algo que não aconteceu em projectos anteriores. Abrams comentou que, juntamente com Kennedy e Kasdan, tentaram sempre encontrar um balanço de modo a que o filme não saísse prejudicado, ou seja, contar bem uma história tendo sempre em mente o porquê das personagens estarem onde estão e o que as motiva e não retirar tudo o que se faz da nostalgia que os sets causam. “It’s bitchin’ that it’s [the scene] on the Millennium Falcon (…) but it doesn’t make the scene automatically good.” Assim, The Force Awakens seguirá a estrutura da trilogia clássica, sendo cativante, que desperta a curiosidade dos espectadores para saber até onde vai a história e as personagens e, especialmente, uma aventura divertida sem ser diversão descuidada ou sem sentido.

Produtora Kathleen Kennedy, realizador J.J. Abrams e argumentista Lawrence Kasdan durante o panel “Star Wars: The Force Awakens” na Comic-Con International 2015. (Photo : Jesse Grant/Jesse Grant/Getty Images for Disney)

Continuando esta intenção de atrair os amantes dos episódios IV, V e VI, os efeitos especiais CGI vão ser reduzidos em favor dos practical effects, obrigando a equipa técnica a criar os cenários e ao elenco a suportar condições que podem ser consideradas extremas em localizações do mundo inteiro, como o deserto de Abu Dhabi. Todavia, são estes (não tão) pequenos pormenores que tornam o filme mais real e que ajudam a que os espectadores a criar uma ligação mais forte com o mesmo. Também os adereços serão reais e os fãs tiveram a chance de ver um novo alien, a quem deram o nome de Bobbajo, a passear pelo palco. Abrams acredita que utilizando este género de fantoches oferece, não só uma oportunidade aos actores de interagir com algo concreto, dando uma vertente mais emotiva, mas também que facilita o trabalho em termos de filmagens.

Na segunda parte foi chamado ao palco o trio do “light side of the force” deste novo filme, John Boyega, Daisy Ridley e Oscar Isaac, que falaram sobre o facto de conhecerem as lendas que fizeram parte da sua infância. Unindo a realidade com a ficção, Isaac fez menção ao facto de Poe Dameron, a sua personagem, ter-se inspirado em Han Solo e Luke Skywalker para tornar-se no melhor piloto da galáxia, uma vez que ele provavelmente também estaria a assistir à cerimónia de entrega de medalhas em Yavin que acontece em A New Hope, formando assim uma ligação entre a trilogia clássica e os novos filmes. Entretanto o próprio Isaac pediu conselhos a Harrison Ford na representação de piloto, ao que Ford respondeu “it’s fake. And it’s in space”.

Questionados acerca da cor do seu lightsaber caso fossem jedis, os membros do panel responderam assim:

Kennedy: Blue, right away.
Abrams: Listen, I’m going to say red.
Kasdan: I would like to have the first black one.
Boyega: I’d say gold.
Ridley: Then I’m going to say silver.
Isaac: Are there rainbow colored?

Isaac ganha? Isaac ganha.

De seguida foram chamados os actores que fazem parte do “dark side of the force”, Adam Driver, Domnhall Gleeson e Gwendoline Christie. Gleeson, vivendo o verdadeiro sentido de estar no lado negro, conseguiu dar um spoiler do filme, confirmado pelo realizador. “The name of the base of the First Order, in honor of the original last name of Luke Skywalker, is Starkiller Base – spoiled by Domnhall Gleeson.”

Nas questões do público foi focada a necessidade de representação e diversidade, sendo a pergunta focada em pessoas asiáticas. Abrams respondeu, sem especificar, que existem actores asiáticos no filme, mas que as personagens quando foram escritas não foram pensadas em termos raciais ou etnias. Contudo, quer que o seu filme se pareça com o mundo que rodeia a todos, por isso tentou diversificar o seu elenco. Kennedy afirmou que os próximos filmes irão priorizar a diversidade dos humanos da galáxia.
Ainda em termos de representação, Gwendoline Christie demonstrou o seu entusiasmo no papel de Captain Phasma, uma Stormtrooper do sexo feminino, talvez a primeira que os espectadores tenham conhecimento, onde tem a oportunidade de explorar uma personagem feminina sem que o corpo seja de particular interesse para o desenvolvimento da mesma. “It’s more like the outside fitting in. And I just found it very exciting that underneath that armor was a woman and it makes it more relevant than ever.”

A terceira e última parte pode ser dividida em duas alturas de autêntico jubilo. A primeira sendo a entrada de Carrie Fisher e Mark Hamill. Chris Hardwick perguntou a Fisher como é que foi o regresso a este mundo. Fisher, sempre muito divertida, afirmou “they were right about the acid flashbacks” e que estavam todos mais “derretidos” mas não num sentido negativo. Hamill mais uma vez agradeceu aos fãs todo o apoio que têm dado ao longo dos anos e partilhou como foi estar na convention em 1976 a promover A New Hope quando não tinham filmagens para mostrar, apenas fotografias.

A segunda parte foi a que ganhou toda a San Diego Comic Con. Harrison Ford faz a sua primeira aparição depois do acidente de aviação! Se o público já estava feliz, então agora surgiram novos níveis de euforia. O próprio Han Solo, mesmo coxeando, chegou, abraçou Luke Skywalker e beijou Leia Organa!!! (Não crucifiquem uma pobre geek que vive para este trio desde que teve conhecimento de guerras nas estrelas) Isto foi mais mágico do que o último momento do trailer com Han e Chewie. Quem disser que não ficou emocionado está a mentir.

“The Legacy Players”: Carrie Fisher, Mark Hammill e Harrison Ford no panel “Star Wars: The Force Awakens” na Comic-Con International 2015. (Photo: AFP)

Chris Hardwick repetiu a pergunta que fez a Fisher e Ford respondeu que devia ter-se sentido ridículo a voltar a estes filmes, visto terem-se passado 30 anos, mas que na realidade “it felt great. I wasn’t so sure it would, but the company was the right company. The director was the right director, Larry you wrote us a wonderful story, and I was proud and grateful to once again be involved.” Se ninguém estava emocionado até ao momento, ver e ouvir Harrison Ford a falar assim de Star Wars deve ter criado uma lágrima em diversos cantos de olhos. Acerca do novo filme, Ford afirmou que há uma progressão na história, não havendo um novo tema per se, mas sim um desenvolvimento do mesmo que surgiu na trilogia original.

Ford, Fisher e Hamill acabaram por tomar conta do resto do panel como se de uma viagem ao passado se tratasse, dizendo até as suas frases mais odiadas dos filmes anteriores. Hamill mencionou o facto de Luke provavelmente estar traumatizado e precisar de terapia ao descobrir que a única mulher que realmente amou foi a irmã e que iria viver num iglo, ao estilo de Sir Alec Guinness no primeiro filme, sozinho sem contacto humano, apenas droids. Fisher brincou com referências a Chinatown “my sister, my mother, my sister” que Hamill continuou.

Mark: We were both after her
Harrison: Man, how many times can I say I’m sorry?

Seguindo esta linha… vamos lá mostrar essa faceta romântica! Por mais Death Stars que explodam no universo, nada explode mais que os nossos corações ao ver o desenvolvimento da relação de Han Solo e Leia Organa, o par mais romântico e sassy de uma galáxia muito, muito distante. Desde o resgate de Leia (“Sometimes I even amaze myself.” “That doesn’t sound too hard.” – A New Hope, 1977), passando por insultos que deixam qualquer um invejoso da criatividade (“Why, you stuck up, half-witted, scruffy-looking nerf herder.” – The Empire Strikes Back, 1980) e finalizando com uma das declarações mais conhecidas pelo mundo inteiro (“I love you.” “I know.” – The Empire Strikes Back, 1980 e Return of the Jedi, 1983) este romance deixa todos com um sorriso na cara e uma confiança de que, pelo menos, esses dois vão partilhar um futuro feliz (com as suas discussões, claro, não sobre quem controla o comando da televisão, mas provavelmente a manutenção do Millennium Falcon). Ou sou só eu com estas esperanças? Casamento Organa-Solo? Não? Não acredito. E também não acredito ser a única que vai ficar decepcionada caso a Rey não seja apresentada como uma Solo. J. J. Abrams, não desiludas!

E porque as surpresas ainda não tinham terminado, toda a audiência do panel Star Wars: The Force Awakens (6000+ sortudos de um raio pessoas) foi convidada por J. J. Abrams e Kathleen Kennedy a assistir a um concerto das composições de John Williams que fazem parte dos filmes anteriores realizado pela San Diego Symphony Orchestra. Todos acompanhados por um lightsaber de todas as cores, incluindo o cast e crew do filme, e com direito a fogo-de-artifício no final, este pode muito bem ter sido o melhor final de dia do fim-de-semana prolongado patrocinado pela SDCC.

O sucesso deste panel tem mais piada quando percebemos que não temos qualquer novidade acerca do plot e nem tivemos a oportunidade de ver um novo trailer. Se a força não está com estes filmes, então não sei com quem estará.

Contudo, J.J. Abrams presenteou-nos com uma olhadela behind the scenes onde percebemos as escolhas artísticas do realizador para tornar este filme numa produção da qual estaremos todos orgulhosos, vemos finalmente imagens de Leia Organa (Solo) e sofremos de uma ligeira nostalgia.

Star Wars: The Force Awakens encontra-se neste momento em edição e estreará em Portugal no dia 17 de Dezembro.

Roslin

Anúncios

2 thoughts on “SDCC15 | Star Wars: The Force Awakens

  1. Primeiro, parabéns por teres escrito um texto fantástico e extremamente coerente e não teres recorrido ao AKSLHDHJSKDLSJKD. Segundo, AKSLHDHJSKDLSJKD. Terceiro, obrigada por teres colocado o vídeo para que SE pudesse revê-lo mais uma mil vezes. Quarto, may the Force be with you!!

    Gostar

    1. Obrigada! Queria escrever tudo direitinho para quando o filme sair termos todos provas suficientes para crucificar ou não o Abrams. O ASKFJSALKJLAKGJ pode não ter saído em texto, mas está lá em espírito, uma vez que é um estado constante até dia 17, durante o dia 17 e, esperemos, para além do dia 17. Estou cá para facilitar a visualização de vídeos visualizados vezes demais para parecer normal. Estamos todos no mesmo X-Wing (mudar ditados para star wars style parece-me super bem).

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s