Acerca

A ideia de Much Ado By Geeks surgiu entre cachorros quentes. Nessa tarde a sinopse para este projecto não era mais do que um local onde poderíamos “escrever sobre aquilo que vemos e lemos”. No fundo, o objectivo era a criação de um espaço com o propósito de partilhar as paixões que vivem connosco no nosso quotidiano; que fazem os nossos corações (perdidos, algures, no meio de palavras grandiosas e planos deslumbrantes) bater mais forte; que fazem com que nos atropelemos nas nossas próprias palavras ao conversar e fiquemos reduzidas a linguagem gestual frenética e sons que não temos a certeza se vieram de nós. Queríamos um espaço escrito na nossa língua assustadoramente bela para partilhar a cultura com quem está do outro lado do computador.

O título Much Ado By Geeks é tanto uma homenagem à obra do Bardo como uma forma nerd de sintetizar a barulheira que fazemos quando gostamos de algo.

Equipa

A Ms. Brightside ainda está a tentar orientar a sua vida e acreditem que já lá vão alguns anitos nesta aventura épica. Entre montanhas de livros lidos e por ler, listas intermináveis de filmes para ver e episódios de séries acumulados, até corre tudo bem. Só é pena um dia não ter 36 horas porque de resto não há razões de queixa. Os livros sempre fizeram parte da sua infância e o cinema veio aliar-se à paixão pela literatura. As duas coisas juntas são um combo perfeito que a faz a rapariga mais feliz do Mundo. Claro que muitas vezes este “ser feliz” inclui lágrimas (muitas lágrimas), risos, não conseguir dormir bem porque fica a pensar no final daquela série/filme/livro, uma incapacidade quase total de usar linguagem e só usar gestos acompanhados por sons estranhos (aka algum fangirling) mas também lhe trouxe amizades incríveis e discussões interessantes. Depois de três anos de licenciatura, encontra-se agora em Mestrado em Estudos Ingleses e Americanos e em ano de tese. Como a sua vida já é feita de emoções fortes, o blog serve para tentar pôr tudo o que não é académico por escrito e mesmo assim ficar sempre a rever o mesmo texto mil vezes, pensando no horror de ter cometido algum erro. Querer fazer bem feito e ser perfeccionista é complicado! Sem livros como a saga Harry Potter não seria a mesma pessoa. Sem filmes fantásticos como os de Christopher Nolan não seria a mesma pessoa. Sem música clássica (incluindo bandas sonoras) não seria a mesma pessoa. Sem séries como Orphan Black não seria a mesma pessoa. Sem pizza, pipocas e outra comida deliciosa para acompanhar tudo isto, não seria a mesma pessoa. Não se considera expert em nada mas orgulha-se 1000% de ser uma pessoa emocional e com empatia extrema (até por vilões). Todas as obras que gosta têm de a fazer sentir, por isso é comum que tenha laços emotivos com tudo o que escreve, vê, lê e ouve, portanto não se surpreendam quando isto se reflecte nos seus textos.

A Roslin não sabe fazer as coisas a meio-termo: ou vê uma séria inteira sem parar, ou lê muitos livros de seguida ou vê todos os filmes que tem na box. Intercalar arte não é com ela. Intercalar comida com arte já é outra história. Gosta tanto de cinema que decidiu tirar uma licenciatura onde injectou teoria da sétima arte durante 3 anos. Tem a mania que é uma nerd pretensiosa (ler Virginia Woolf ou ver obras de Antonioni enquanto bebe chá da caneca da Wonder Woman é a prova científica). Battlestar Galactica (2004) mudou-lhe tanto a vida que não é possível ver um episódio sem chorar. Neste momento está a queimar os neurónios que restam no mestrado de Estudos Ingleses e Americanos.